Diesel e gás de cozinha devem ter alta de impostos em 2024

4 dez 2023 - Brasil - Mundo

Sem previsão de redução nos impostos federais sobre os combustíveis em 2024, alguns produtos devem ter a cobrança de tributos retomada. A informação consta na proposta de Orçamento do ano que vem e foi confirmada pela Secretaria da Receita Federal.

Com o fim da desoneração, no final deste ano, diesel, biodiesel e gás de cozinha (GLP) terão impostos elevados no começo de 2024 e, caso isso seja repassado, haverá aumento de preços aos consumidores – com impacto na inflação.

No caso do diesel, o reajuste tende a impactar de uma forma geral os preços da economia, pois o combustível é utilizado no transporte de cargas pelo país, assim como no transporte público. Já em relação ao gás de cozinha, o aumento tende a afetar não somente a população de baixa renda, mas também a classe média e os preços cobrados pelos restaurantes.

Valores do diesel e do gás de cozinha

A volta dos impostos federais pode levar ao aumento de até R$ 2,18. Veja os valores para cada combustível, segundo dados do governo, do Instituto Combustível Legal (ICL) e da Associação das Distribuidoras de Combustíveis (Brasilcom):

diesel A: aproximadamente R$ 0,35 por litro;

biodiesel: aproximadamente R$ 0,15 por litro;

diesel B (mistura do diesel A e biodiesel): aproximadamente R$ 0,33 por litro;

gás de cozinha: aproximadamente R$ 2,18 por botijão de 13 Kg.

Redução de impostos

A redução dos impostos federais foi autorizada no governo do ex-presidente Jair Bolsonaro, em 2022. O governo anterior zerou o PIS/Cofins sobre diesel, gás de cozinha e biodiesel até o fim de 2022, em meio à guerra da Ucrânia e da corrida eleitoral. Depois reduziu impostos federais sobre gasolina e etanol também até o final do ano passado.