Alexei Navalny é enterrado em cerimônia com milhares de apoiadores

1 mar 2024 - Brasil - Mundo

Milhares de pessoas participaram, nesta sexta-feira (1º/3), do funeral e do enterro do político da oposição russa Alexei Navalny, em Moscou, Rússia. Muitos carregavam flores e gritaram mensagens de apoio ao homem que foi um dos críticos mais duros do presidente Vladimir Putin.

Membros das forças de segurança russas estavam presentes em grande número na Igreja do Ícone da Mãe de Deus, uma igreja ortodoxa russa, e no cemitério Borisovskoye, onde ele foi sepultado.

Navalny morreu aos 47 anos em circunstâncias misteriosas em 16 de fevereiro, em uma colônia penal no Círculo Polar Ártico, para onde fora transferido em dezembro.

Enquanto seu caixão era carregado para a igreja por quatro homens, algumas pessoas do lado de fora entoavam: “Navalny, Navalny!” Alguns também gritavam: “Você não tinha medo, nós também não temos!” e, mais tarde, “Não à guerra!”.

Após o culto, seu caixão foi novamente levado para fora da igreja, sob aplausos e mais cânticos da multidão, enquanto começava o curto cortejo até o cemitério para seu sepultamento.

 

Uma foto do interior da igreja mostrava o caixão aberto com o corpo de Navalny coberto de flores vermelhas e brancas, enquanto sua mãe, usando um lenço de cabeça preto e com uma vela em uma das mãos, sentava-se ao lado de seu pai nas proximidades.

Diplomatas ocidentais, incluindo a embaixadora dos EUA, Lynn Tracy, também compareceram ao funeral.

Mais de 250 mil pessoas assistiram ao funeral e ao enterro no canal de Navalny no YouTube, que está bloqueado na Rússia.

Milhares participam, apesar de ameaças do Kremlin
Uma multidão de pessoas marchou da igreja até o cemitério Borisovskoye, nas proximidades da igreja, após o serviço fúnebre. “Não nos esqueceremos de você!” e “Perdoe-nos!”, gritaram alguns dos presentes quando o caixão chegou para o enterro.

Cerca de 400 pessoas foram detidas em cerimônias em memória de Navalny desde a sua morte, segundo a organização de direitos humanos OVD-Info, mas nenhuma prisão foi registrada nesta sexta-feira, apesar dos avisos do Kremlin.

“Qualquer reunião não autorizada será uma violação da lei e aqueles que participarem dela serão responsabilizados”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, à agência de mídia estatal russa, Tass.

Família de Navalny se mobilizou por seu enterro
As autoridades russas entregaram o corpo de Navalny à sua mãe dias depois de sua morte, após diversos pedidos da família. Sua mãe recusou-se a realizar um enterro sigiloso.

A equipe de Navalny afirma que ele foi assassinado a mando de Putin, pois o crítico do presidente russo provavelmente seria libertado em uma possível troca de prisioneiros. Embora eles não tenham fornecido nenhuma prova disso, prometeram buscar esclarecimentos sobre sua morte.

O Kremlin rejeita essa acusação e o atestado de óbito de Navalny afirma que ele morreu de causas naturais.

Penas adicionais e transferência
De longe o opositor mais proeminente da Rússia, Navalny estava preso há três anos e cumpria pena de mais de 30 anos de encarceramento.

Em agosto de 2023, foi sentenciado, em julgamento a portas fechadas, a 19 anos adicionais de prisão – além dos 12 anos que já cumpria, por várias acusações –, desta vez por supostamente fundar e financiar uma organização terrorista e banalizar o nazismo.

Em dezembro, Navalny foi transferido de uma prisão na região de Vladimir, a menos de 200 quilômetros de Moscou, para um presídio no Círculo Polar Ártico, perto da cordilheira dos Urais. A cidade de Kharp, que tem cerca de seis mil habitantes, fica a quase dois mil quilômetros de Moscou ou a cerca de 45 horas de trem da capital russa.

Kharp fica a menos de 50 quilômetros de Salekhard, capital administrativa deste território que tem uma área maior que a de França, mas é habitado por apenas meio milhão de habitantes.

Segundo um de seus colaboradores no exílio, Ivan Zhdanov, a prisão leva o nome de “Lobo Polar” e é considerada uma das mais distantes da civilização em toda a Rússia.

Ativista quase morreu envenenado na Sibéria
Navalny ganhou destaque há mais de uma década ao ridicularizar a elite em torno de Putin e denunciar a corrupção em grande escala. Ele foi transferido após anunciar uma campanha contra a reeleição de Putin, no poder desde 2000. Em 7 de dezembro, pediu da prisão para que os russos votassem contra Putin nas eleições de 17 de março de 2024.

Em agosto de 2020, na Sibéria, Navalny quase morreu envenenado por Novichok, uma substância neurotóxica desenvolvida pela antiga União Soviética, num atentado que o Ocidente atribuiu ao FSB, o serviço secreto russo. Levado à Alemanha para tratamento, Navalny optou por voltar à Rússia em meados de 2021, apenas para ser imediatamente preso ao pôr os pés em Moscou, desencadeando alguns dos maiores protestos que a Rússia já testemunhou em décadas.

Taxado de extremista, o movimento anticorrupção liderado por Navalny foi encerrado. Seus principais aliados foram presos ou se exilaram no exterior.

Oposição perde uma figura forte
Depois da prisão, o ex-advogado só era visto em vídeos de baixa resolução durante audiências judiciais realizadas na prisão de segurança máxima, mas continuou criticando o Kremlin, como pela invasão da Ucrânia.

A Rússia apertou o cerco sobre dissidentes desde a invasão em larga escala do território ucraniano, em fevereiro de 2022.

Apoiadores de Navalny relatavam que ele vinha sofrendo perseguição na prisão e foi posto diversas vezes em solitária. Guardas teriam ainda sujeitado ele e outros presos a “tortura” ao forçá-los a ouvir discursos do presidente Putin.

O político nativo de um lugarejo rural no oblast de Moscou não foi apenas um novo tipo de oposicionista, capaz de mobilizar sobretudo os jovens russos. Durante anos ele travou uma campanha de proporções quase bíblicas contra o autocrático Putin, o qual responsabilizava pela avassaladora corrupção do país.

Uma luta desigual, em que Navalny praticamente não tinha chances. Ainda assim, conseguiu mais do que qualquer dissidente de seu país.

 

Maistvdenois

 

Fonte: Metrópoles.