PF indicia Bolsonaro por adulteração no cartão de vacinação da Covid

19 mar 2024 - Destaques

A Polícia Federal (PF) indiciou o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) por associação criminosa e inserção de dados falsos em sistema público no inquérito que investiga a adulteração da carteira de vacinação contra Covid-19.

Esse indiciamento significa que o processo será analisado pelo Ministério Público Federal (MPF), responsável por decidir se apresenta a denúncia à Justiça ou se arquiva o caso. A informação é do G1, confirmada pelo colunista Igor Gadelha, do Metrópoles.

Além de Bolsonaro, o tenente-coronel Mauro Cesar Barbosa Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente, e o deputado federal Gutemberg Reis (MDB-RJ) estão na lista de indiciados pela PF. É a primeira vez que Cid e Bolsonaro são indiciados pelo caso das vacinas.

Em relação aos crimes, a corporação acusa Mauro Cid de uso indevido de documento falso.

Confira os indiciados pela PF:
Jair Bolsonaro: inserção de dados falsos em sistema público e associação criminosa
Mauro Cid: falsidade ideológica de documento público, inserção de dados falsos em sistema público, falsidade ideológica de documento público, uso de documento ideologicamente falso e associação criminosa
Gabriela Santiago Ribeiro Cid: falsidade ideológica de documento público, inserção de dados falsos em sistema público, uso de documento ideologicamente falso, uso de documento falso em nome de suas filhas Isabela Ribeiro Cid e Giovana Ribeiro Cid
Gutemberg Reis: associação criminosa
Marcelo Costa Câmara: inserção de dados falsos em sistema público
Luis Marcos dos Reis: falsidade ideológica de documento público e inserção de dados falsos em sistema público
Farley Vinicius Alcantara: falsidade ideológica de documento público e inserção de dados falsos em sistema público
Eduardo Crespo Alves: inserção de dados falsos em sistema público
Paulo Sérgio da Costa Ferreira: inserção de dados falsos em sistema público
Ailton Gonçalves Barros: inserção de dados falsos em sistema público, falsidade ideológica de documento público e associação criminosa
Marcelo Fernandes Holanda: inserção de dados falsos em sistema público
Camila Paulino Alves Soares: inserção de dados falsos em sistema público
João Carlos de Sousa Brecha: inserção de dados falsos em sistema público e associação criminosa
Max Guilherme Machado de Moura: inserção de dados falsos em sistema público, uso de documento falso e associação criminosa
Sérgio Rocha Cordeiro: inserção de dados falsos em sistema público, uso de documento falso e associação criminosa
Cláudia Helena Acosta Rodrigues da Silva: associação criminosa
Célia Serrano da Silva: associação criminosa
Defesa de Bolsonaro reclama de “vazamentos”
Por meio do X (antigo Twitter), Fabio Wajngarten, advogado do ex-presidente, reclamou que os “vazamentos continuam aos montes, ou melhor, aos litros”. Constantemente, ele alega que a PF vaza propositalmente informações sobre investigações que circundam Bolsonaro.

“É lamentável quando a autoridade usa a imprensa para comunicar ato formal que logicamente deveria ter revestimento técnico e procedimental ao invés de midiático e parcial”, escreveu Wajngarten.

 

Maistvdenois

 

Fonte: Metrópoles.